SÍNDROME DA BOCA SECA CAUSA CÁRIES E AFETA O PALADAR


11/06/2008

Apesar de atingir 29% da população, a xerostomia, síndrome da boca seca, é uma doença pouco divulgada. Embora seja mais comum em idosos, os sintomas da falta de salivação aparecem em todas as idades, geralmente em pessoas que fazem uso prolongado de medicamentos, sofrem de estresse ou de doenças crônicas ou consomem drogas ilícitas. – A xerostomia é mais freqüente em pessoas idosas porque, além da diminuição da secreção salivar em função da idade, há também grande prevalência de pacientes idosos que fazem uso de medicamentos que induzem à xerostomia. É também mais comum em mulheres – explica a cirurgiã dentista Fernanda Neder. A boca fica seca, a língua, rachada, e a mucosa oral, ferida. Esses são alguns sintomas da xerostomia, que também influencia diretamente a alimentação, pois a falta de salivação atrapalha a pessoa a mastigar e a engolir, e o paladar é afetado. – Tomei remédio para emagrecer, à base de anfetamina, durante quase um ano. No começo do tratamento, minha boca ficou seca e meus lábios rachados. Cheguei a ir até a uma dermatologista, pois achava que era problema de pele – relata a jornalista Adriana Santos, 35 anos, que também teve perda do paladar. – Não sentia mais o gosto do café e do vinho. Era horrível. Estresse A dentista Fernanda Freitas, especialista em periodontia, diz que muitos dos seus pacientes que têm xerostomia sofrem de estresse. – O desequilíbrio emocional induz o ressecamento da boca. Pessoas que tomam antidepressivos também têm tendência à xerostomia. A saliva tem função protetora e sua ausência torna a mucosa oral suscetível à infecções. Acarreta também em cáries dentárias agudas, complicações periodontais e perda subseqüente dos dentes. A xerostomia leva também à halitose (mau hálito). A advogada Luciana Marques, 30 anos, passou por uma série de seções de radioterapia quando, aos 15 anos de idade, teve um tumor intramolecular. O tratamento radioativo desencadeou uma xerostomia e Luciana teve um aumento dramático de cáries dentárias. – Minha boca ficou muito seca. Na minha primeira consulta ao dentista, depois da cirurgia, estava com sete cáries, na segunda, depois de quase um ano, estava com cinco – Luciana relembra. Maria Beatriz Veiga de Carvalho, tradutora, 55 anos, teve xerostomia em função da esclerodermia, doença auto-imune rara, que possui há três anos. Um dos sintomas dessa doença é o ressecamento da pele e da boca. – Fumei durante 32 anos, então, a saúde dos meus dentes já estava comprometida. Depois que tive a esclerodermia, a minha saliva secou e eu tive várias cáries nas raízes dos dentes. Tive que arrancar quatro deles – comenta Maria Beatriz. O fumo excessivo, a síndrome de Sjõgren (próprio organismo reage contra as glândulas salivares) e falta de higiene bucal são outras possíveis causas da xerostomia.

◂ VOLTAR