NOVARTIS LANÇA NOVO ANTI-HIPERTENSIVO APÓS DEZ ANOS SEM INOVAÇÕES


16/05/2008

Diferente dos disponíveis no mercado, o medicamento possibilita o controle da pressão arterial por mais de 24 horas Após uma década sem inovações no tratamento da doença, a Novartis lança no Brasil o Rasilez (alisquireno), primeiro de uma nova classe de anti-hipertensivos, denominada inibidores diretos da renina. Diferente dos medicamentos disponíveis no mercado, o medicamento possibilita o controle da pressão arterial sustentado por mais de 24 horas, por ter uma meia-vida maior. O medicamento também tem potencial para oferecer maior proteção dos órgãos-alvo da hipertensão (coração, cérebro e rins), diminuindo as complicações associadas à doença, como derrame e infarto. O mecanismo de ação inovador é o principal diferencial do Rasilez, que age inibindo diretamente a renina, enzima capaz de desencadear um processo que pode levar à hipertensão. "Há pelo menos um século os cientistas sabiam que a renina aumentava a pressão arterial, mas não descobriram uma forma eficaz de inibi-la diretamente", conta o gerente médico da Novartis, Dr. Abrão Abuhab. "Agindo neste local, é possível 'frear' a cascata da doença em um ponto mais inicial, o que pode determinar maiores benefícios em relação à proteção contra danos nos órgãos vitais", explica. Segundo ele, os medicamentos que estão hoje no mercado agem nas fases subseqüentes da conversão das enzimas que controlam a pressão arterial. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, anualmente, quase trezentas mil pessoas morrem no Brasil de doenças cardiovasculares, mais da metade em decorrência da pressão alta. Um levantamento da Sociedade Brasileira de Cardiologia/Funcor mostra que 93,5% da população brasileira hipertensa em tratamento não atinge o nível de pressão arterial considerado ideal.



◂ VOLTAR