Descarte irregular de seringas e agulhas coloca trabalhadores em perigo


27/08/2018

O descarte inapropriado de resíduos de saúde, em lixo doméstico, continua assustando os trabalhadores do material reciclável e também os garis. Na última semana, sete seringas todas com agulhas, sendo uma contendo sangue, quase causaram a perfuração de duas cooperadas da Cooperativa dos Catadores de Recicláveis de Umuarama (COOPERUMA). O problema é sério e vem sendo recorrente, mesmo com orientações.
Gisele do Nascimento Domingues, presidente da Cooperuma, estava ajudando na esteira quando pegou uma sacola plástica e sentiu as agulhas, além dela outra cooperada quase teve os dedos perfurados. “Desliguei a esteira e observamos que tinha seringa com agulha na sacola. Foi mais um susto que passamos, pois o problema está sendo corriqueiro. As pessoas usam os produtos e jogam no lixo doméstico. Vem das residências e não das farmácias. Temos medo de pegar alguma doença ou outra coisa”, disse.

Os 26 trabalhadores da cooperativa que recolhem e fazem a destinação correta do lixo pedem mais respeito para a população de Umuarama. “Estamos trabalhando e não é um trabalho comum, tiramos o lixo da casa das pessoas e damos a destinação correta. Imagina esse lixo nas ruas? Então peço mais respeito para com a gente, pois ser espetado por uma agulha contaminada e pegar uma doença não é o futuro que queremos”, enfatizou a presidente.
Em 2017 foram registrados cerca de três acidentes envolvendo servidores e as agulhas no lixo, conforme o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT), que ao lado da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) fiscaliza e acompanha ocorrências do gênero.

O que fazer?
Segundo o Diretor de Meio Ambiente de Umuarama, Matheus Michelan Batista, os pacientes que utilizam material como agulhas, lancetas (perfurador da pele) e seringas precisam ter cuidado dobrado na hora do descarte. A orientação a esses pacientes, geralmente portadores de diabetes, é que guardem as agulhas e seringas em um recipiente plástico com tampa e descartem em uma farmácia ou unidade de saúde, onde há coleta seletiva de material perfurocortante e destinação correta.
“O ideal é não jogar no lixo, mas se não houver outra forma devido a situação do paciente, coloque as seringas em uma garrafa PET. Desta forma os guaris e seletores não vão ter riscos de perfuração”, disse Batista.

Segundo a Resolução nº 5/93 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), são materiais perfurocortantes as seringas, agulhas, escalpes, ampolas, vidros de um modo em geral e qualquer material pontiagudo ou que contenha fios de corte capazes de causar perfurações ou cortes. Só na última semana foram sete seringas jogadas de forma irregular.

Fonte: Umuarama Ilustrado



◂ VOLTAR